terça-feira, 22 de junho de 2010

Viagem

“Nunca se sabe o que uma viagem pode trazer ao íntimo do coração. Como se o tempo de repente dum outro modo fluísse, ou mesmo a qualidade da sua hora mudasse, e uma coisa perdida aparecesse, uma dúvida se quebra, um amor acaba, e outro que nunca se tinha imaginado, de repente, nasce. Objectos que sempre tivemos por separados atam as pontas, imagens que bóiam nas nossas vidas sem ligação juntam-se e criam uma nova sequência com sentido. Outras vezes a clarividência da distância torna-se tão luminosa que se vê o fim do fim, e deseja-se regressar, ainda que não seja a lugar nenhum. (...) “



Lidia Jorge in "Mentalista"

5 comentários:

  1. A lucidez de Lídia Jorge é notável.

    Muito bem escolhido este trecho.

    L.B.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Milhita. Na divulgação do meu blog vou descobrindo pelo caminho outros igualmente interessantes. Parabéns pelo trabalho. Pena não continuar. Convido a ver o meu blog webart2011.blogspot.com sobre pintura e desenho e se poder divulgar agradeço.

    Cumprimentos

    Francisco Santos

    ResponderEliminar
  3. Pinto rostos, o céu, a saudade
    Pinto mentiras, corações sem chama e verdades
    Pinto o Mundo muito à minha maneira
    E um barco carregado de puras saudades

    E apago o olhar para ver melhor
    Para sentir o dizer de um amarrotado papel velho
    O que vejo está muito para lá de sentir
    Nesta…Outra face do Espelho…

    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  4. Acabei a viagem; a interior continua...

    Muito bonito o texto.

    Bj

    ResponderEliminar
  5. Como seriamos felizes se nos conhecesse-mos ...
    um beijo do Lobo

    ResponderEliminar